Aguarde...

Benvindos Santiago da Guarda

Turismo

Entre o actual património, o edifício que mais dá nas vistas é, sem dúvida, aquele a que o povo chama “Castelo” e não é mais que o Solar dos Condes de Castelo Melhor. Trata-se do único Monumento Nacional classificado (desde 1978), em toda a área do Concelho, sendo o único exemplar da arquitectura manuelina na região. É constituído por Torre, Paço e Capela. Muito vandalizado, durante o século XX, algumas portas e janelas manuelinas ilustram o estilo em que foi construído, na 2.ª metade do século XV, acreditando-se que a Torre, em cantaria, será anterior.

É propriedade do Município, que superintendeu e custeou parte da intervenção a que recentemente foi sujeito, tendo-se encontrado, no subsolo, mosaicos romanos de grande valor, parte deles conservados para serem observados pelos visitantes. Ainda na área da freguesia, próximo à povoação de Vale de Boi, existe um pequeno troço de “calçada romana”, certamente um pedaço de uma via romana secundária, por onde terão passado muitos peregrinos de S. Tiago, que poderão ter tido alguma ligação ao actual nome desta freguesia.

A actual Igreja Matriz a mais recente de toda a área concelhia, do inicio da década de 1970 e cuja construção se deve ao então Padre Manuel Ramos e ao pedreiro encarregado da obra, Sr. Manuel Freire Bicho, de Graminhal, guarda importantes esculturas de pedra quinhentista que vieram da antiga Igreja Paroquial da Orada (não muito longe da sede desta freguesia), e outras da antiga Igreja de Santiago (sendo de destacar as Imagens do Santo Padroeiro, de N.ª Sr.ª da Graça, de Santo António de Lisboa e de Santa Luzia). O antigo Pároco de Santiago, P.e Armando, tem uma notável colecção de fósseis que foram recolhidos na área da freguesia e que estão guardados num espaço museológico da Granja.

Pela sua importância patrimonial, merecem ser vistos os Moinhos de Vento da Melriça e do Outeiro – únicos no mundo em termos de funcionamento. Este é, de facto, bastante original: toda a estrutura roda à procura do vento que faça girar as velas (em lona), para que estas, por sua vez, façam girar as mós que hão-de moer o grão.

A VISITAR

•  Complexo Monumental de Santiago da Guarda

•  Capela da Senhora da Orada

•  Moinhos e miradouros de Melriça e Outeiro

•  Ponte do Marquinho, Várzea de Santiago

ARTESANATO

O artesanato é uma actividade importante na área desta freguesia, que todos os anos organiza uma Feira de Artesanato. A tecelagem e a cestaria são os sectores mais representativos.

GASTRONOMIA

As características rurais do Concelho de Ansião e a tradição agrícola ligada à pastorícia resultam na combinação perfeita de aromas e sabores únicos da cozinha local. O solo argiloso-calcário e serrano, os tomilhos (aqui conhecidos como erva-de-santa-maria) e as ervas para chás ou temperos, que florescem espontaneamente e adornam a região de Sicó, são os pormenores herdados de gerações passadas, que marcam a diferença das carnes, dos vinhos, do azeite e dos queijos típicos. Conheça aqui os pratos com que se pode deliciar, ao visitar Ansião. 

As sopas, sempre ricas em legumes e extremamente enérgicas, eram confeccionadas para os homens e mulheres do campo suportarem os duros trabalhos da lavoura. Preparadas essencialmente com produtos extraídos da terra e com a carne dos animais criados nos currais de cada casa, as sopas permitiam às gentes locais contornar a precariedade e dureza da vida de quem trabalhava no campo. Geralmente, são acompanhadas de uma fatia de pão ou broa de milho caseiros, fruto da cultura predominante de cereais, especialmente de milho. 

Apesar de Ansião não ser uma localidade costeira, a gastronomia local é marcada pela presença do peixe, porque sendo este mais barato do que a carne, tornava a sua compra acessível a todos. A sardinha, tipicamente portuguesa, é também o peixe de eleição destas gentes, uma vez que combina perfeitamente com a broa de milho caseira e o apreciado azeite de Sicó, extraído das azeitonas nascidas do solo serrano e moídas nos inúmeros lagares existentes em todo o Concelho. 

O pasto verde das serras, que alimenta o gado caprino e ovino, dá um sabor único à carne utilizada na confecção dos pratos típicos. A carne de porco tem também um papel muito importante na alimentação local e a matança do animal criado nos currais de cada casa tornou-se mesmo uma prática comum entre as famílias. Cada parte do porco tem a sua finalidade, quer para a confecção de enchidos, que para a execução de deliciosos pratos. 

As sobremesas locais são variadas e testemunham a influência da terra. Apesar de serem doces, o açúcar é pouco utilizado, sendo outros ingredientes os responsáveis pela sua doçura, como as ervas aromáticas e as passas de uva, usadas na confecção das merendeiras doces. Devido ao facto destas sobremesas serem bastante secas, não valem por si só para um lanche, ou seja, devem ser sempre acompanhadas de um chá, para que o seu sabor possa ser apreciado. 



Compartilhar titulo produto

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência de utilização. Ao utlizar o website, confirma que aceita a sua utilização.